TV Brasileira é uma mistura de sexo e morte, conclui apresentadora inglesa

TV britânica vem ao Brasil para falar da programação da televisão nacional e fica perplexa com o que vê

A apresentadora britânica, Dayse Donavon esteve no Brasil, para gravar seu programa, o ”The Greatest Shows on Earth” (Os melhores programas do mundo). No tempo que passou aqui, ela sentiu a diferença entre a programação da terra da rainha, e a grade de entretenimento brasileira.

Daisy mostrou a competição “Miss Bumbum”, exibido pelo SuperPop da Rede Tv, o qual ela fez uma detalhada análise:
“Estou exposta a um festival da carne”, impressiona-se a apresentadora enquanto assiste à cena de um programa de auditório em que um cirurgião plástico, descreve um bumbum perfeito.
A apresentadora ainda assistiu o programa Panico Na Band, onde dançarinas, conhecidas como Panicats, participam de competições classificadas por ela como, duelos sem sentido.

“O que me parece ser um programa degradante e sadomasoquista é transmitido, incrivelmente, às 21h de um sábado para 10 milhões de espectadores”, explica, incrédula, a apresentadora ao público inglês.

Sem limites


E ainda questiona: “se a televisão brasileira está disposta a tratar as mulheres dessa forma em sua busca por espectadores, existe algum limite que ela não cruzaria?”.
A resposta vem banhada em sangue. A jornalista britânica vai ao norte do país para conhecer melhor o que considera uma forma inesperada de entretenimento: os sangrentos programas policiais.

“É isso que as pessoas assistem como entretenimento na hora do almoço?”-“Meu Deus, esse país não é para os de coração fraco”, conclui.

Daisy concluiu seu ”estágio” na programação do Brasil da seguinte maneira:
“Eu tenho a teoria de que a televisão é a janela para a alma de uma nação”.
Deixando no ar que a alma da tv no Brasil é uma mistura perversa de sexo e morte.
Assista:
Por Heverton de Oliveira, com informações de Exame, para o Ligado no Gospel